quarta-feira, 30 de abril de 2008

Cristão e Justiça Social


Trabalhar no serviço público de um município possibilita-me ter uma visão diferenciada da pobreza e da exclusão social. Os mais pobres clamam por uma ação eficaz do governo municipal, isso porque sentem na pele a falta de um tratamento digno de saúde, moram em condições precárias, os filhos andam, muitas vezes, quilômetros para poder freqüentar a escola, debaixo de sol, chuva e poeira do chão de terra. Muitos ainda não têm rede de esgoto, a comida é simples, na maioria, sem opção de carne, diferente do que estamos acostumados a comer todos os dias. Enfim, posso citar aqui milhares de exemplos que rondam as cidades hoje, advindos do caos social.

Esses dias, isso tem me levado a refletir o compromisso do cristão com o social. Jesus dá ênfase aos pobres várias vezes durante sua peregrinação. Ele diz que ao alimentarmos o órfão, a viúva, visitar os presos e os doentes, ou seja, nos importarmos com as situações da miséria e sofrimento humano, teremos importado com Ele próprio. Uso a palavra importar, porque sinto na maioria das pessoas um sentimento predominante: a indiferença social.

Hoje, ver um mendigo na rua, uma criança pedir dinheiro no sinal, não me comove mais. Parece que me acostumei com a situação atual. Então, percebo que meu compromisso cristão está sem direção, acostumado demais a freqüentar somente o banco da igreja, limitado à religião. O discurso do cristianismo é muito bonito, sabemos de cor, mas somos hipócritas. Porque conhecemos o que devemos fazer, mas na hora de colocar em prática é falho. O preconceito nos toma, o legalismo religioso transforma o mundo dos crentes em guetos. O crente tem pavor do mundo, das coisas mundanas, mas se esquece que é aqui que se deve fazer a diferença. A Bíblia mesmo fala que a colheita é grande, mas poucos são os trabalhadores.

Falo isso por me sentir assim, em alguns casos, mas sei que existe cristãos que estão na mesma situação, ou piores. Graças a Deus que estou sendo tocada quanto as minhas atitudes. Agora é só procurar o campo para começar a semear. Então, te convido: vamos fazer a diferença? Vamos olhar para o pobre, o negro, o homossexual, a prostituta, o drogado, o enfermo, o deficiente, e para todos que precisam de nossa atenção? Vamos mudar o mundo? Vamos trabalhar para Cristo?

Não é difícil começar, basta olhar para dentro de nós mesmos e separar o que temos para doar. Somos cheios de talentos, vamos multiplicá-los!

quinta-feira, 24 de abril de 2008

Nova Vanessa



Legenda: Vanessa antes (da cara magra) - Vanessa depois (toda fofinha). Detalhe: isso é só para postar o inverso depois, tá? hahahahahahahaha



A partir de amanhã, 25 de abril, terei que ser uma nova Vanessa.

Vocês já devem ter ouvido isso milhões de vezes, mas a mudança vai acontecer “na marra” mesmo. Não tenho outra opção. Minha questão de peso agora é questão de saúde. A obesidade veio arrebatadora e com todos os males juntos. Posso explicar: glicose alta, se continuar nesse ritmo fico diabética aos 24 anos de idade. Além de tonteiras, cansaço exacerbado, dificuldade de concentração, formigamento nos pés, muita sede, vontade de urinar várias vezes, dor de cabeça, sem falar nas complicações emocionais e sociais.

Mas, agora tem um detalhe: sabe aquela força de vontade que estava faltando, inclusive escrevi num post anterior? Ela veio com tudo, está batendo na minha porta e eu vou deixar ela entrar. Sinceramente, quando a gente acha que chegou ao fundo do poço, tem uma mola pra te mandar subir de volta! rsrsrsrs

Então, comecem a contar, daqui a um mês terei o meu primeiro resultado, dia 26 de maio, quando postarei aqui minha vitória! É um compromisso comigo mesma e com vocês que sempre me deram força, mas acima de tudo, com a minha própria saúde.


Sanfona nunca mais! Emagrecimento sim! Que Deus me dê forças! E olho gordo: sai pra lá!

segunda-feira, 14 de abril de 2008

Aniversário


Mais um ano de vida, agora serão 24. A cada dia que se passa meu tempo é precioso. Posso sentir o cuidado de Deus para comigo. Obrigado, Senhor!

Esse ano é especial! Todos os anos foram. Porque sempre tive o que lutei, sempre quis o que pude ter, sempre encarei de frente os desafios. Embora algumas coisas não estejam como eu queria.

Vou confessar: adoro fazer aniversário! Sinto-me imensamente feliz quando recebo um telefonema daquele amigo especial, daquela pessoa querida. Gosto de reunir meus amigos, receber a família, fazer um bolo bem gostoso. Amo ganhar presentes, mas aqueles presentes que a gente sabe que são planejados com muito carinho, não por obrigação!

Durante todo esse tempo de vida, fui descobrindo aos poucos quem é a Vanessa. Até hoje ainda me surpreendo com quem me revelo ser. O objetivo da minha vida é me conhecer, gostar mim, estar completa. Depois disso, aprendo mais a amar e aceitar o meu próximo. Sei dos meus defeitos, das minhas qualidades, conheço meus talentos. Ainda estou meio perdida quanto aos meus caminhos, principalmente na vida profissional. A pessoa que reflito ser, atrai os meus amigos e me mantém amando uma só pessoa há tanto tempo.

Nesse aniversário, dia 17 de abril, queria deixar registrado que amo minha vida, minha família, meus amigos. Encontrei meu verdadeiro amor muito novinha e a chama está viva aqui dentro. Quero formar minha família com o Vitor. E também quero agradecer a todos que me amam pelo apoio, carinho, amizade e muitas horas de diversão!
"Sei que a Tua fidelidade leva minha vida mais além do que eu possa imaginar...
Sei, e não posso negar, que os Teus olhos sobre mim, me enchem da Tua paz!"

sexta-feira, 11 de abril de 2008

Namoro... Estranho?


Na entrevista que Cláudia Jimenez deu a Jô Soares, que vai ao ar hoje, na Globo, ela reafirmou que está namorando Rodrigo Phavanello.
Fonte: Folha Online

Alguém já reparou que o casal Cláudia e Rodrigo é o mais especulado ultimamente na mídia? As pessoas custam a acreditar no romance. Alguns juram que é jogada de marketing. Outros pensam: como assim?

Desde a novela Sete Pecados, já achava estranho o casal, mas super divertido e uma forma de quebrar tabus. Agora que o casal está junto na realidade a questão virou alvo dos curiosos de plantão.

Cláudia tem fama de contracenar com galãs, mas pelo que eu me lembre, nunca foi divulgado na mídia um namoro dela com um. Ela já enfrentou o câncer e já teve um relacionamento homossexual estável. Rodrigo parece estar em evidência há algum tempo, não muito, e chama atenção realmente por seus traços físicos.

Agora, o mais interessante é o preconceito que está por trás de toda essa aparição, divulgação. Ficamos a pensar, mesmo de forma inconsciente, que com tantas atrizes lindas, mais novas, com corpinho violão, ele foi se encantar justamente por ela. Então, esse é mais um motivo para prestar atenção no ser humano. O que realmente temos de bom que podemos conquistar as outras pessoas.

Eu, mesmo sendo gordinha, posso me aceitar do jeito que sou, me achar linda, levantar minha auto-estima. Porque isso sim atrai as pessoas. Claro que quero emagrecer, qual gordo quer ser gordo? Enfim, fica aí uma lição, mesmo que seja fogo de palha, jogada de marketing, existe sim o preconceito, mas também existe a beleza do ser humano do jeitinho que ele é!

segunda-feira, 7 de abril de 2008

O que está acontecendo com os médicos de BH?


Ontem fui ao Angiologista pela primeira vez e fiquei espantada. Estou com câimbras, dor nas pernas e formigamento nos pés há mais de um mês, por isso resolvi checar como está a circulação. Cheguei ao consultório, esperei uns 40 minutos para ser atendida e por fim, foram somente uns 15 min. de consulta. Ele mal me examinou e falou que estou ótima, minha circulação está perfeita e o meu problema é por causa da postura e me receitou um remédio para as câimbras, que nem sei se vou ter coragem de tomar.

Que consulta mais superficial. O médico nem interessou em fazer perguntas, questionar, investigar, sei lá... Tudo bem que eu era a última paciente e ele devia estar louco para terminar, mas pelo amor de Deus, viu! Será que sou hipocondríaca?

Eu não sou a primeira a reclamar dos médicos, vários conhecidos meus já reclamaram. Meu avô então faz o seguinte: chega, conta todas as doenças para o médico e marca no relógio os 30 min. de consulta que ele tem direito. Se o médico acaba antes, ele fala que resta tempo e começa a conversar sobre o seu histórico de doenças. Hilário! Mas, dá vontade de fazer igual ao meu avô!

Sinceramente, a única médica boa que tenho é a minha ginecologista e o meu clínico geral, posso contar nos dedos, porque o resto está difícil conciliar com os meus interesses, com os meus parâmetros de paciente. Ou estou muito exigente, ou estou sem sorte, ou quero ser tratada como gente que precisa de ajuda e é muito importante o Sr. Doutor me examinar minuciosamente!

Bom mesmo é aquele seriado americano House. Ele é um tremendo fdp., mas sabe o que faz e leva em consideração todos os detalhes da vida de seus pacientes. Será que fica só na ficção?