terça-feira, 30 de setembro de 2008

Desmaio ao ver sangue

Fico muito incomodada quando vou tirar sangue, porque se viro pro lado e vejo sem querer o tubinho; já era: a pressão cai e desmaio na hora. Não consigo me controlar, queria ser mais forte, mas é praticamente impossível. Então, procurando na net, achei essa reportagem sobre o assunto e entendi a explicação. A reação do desmaio é praticamente uma questão de sobrevivência. rsrsrs Adorei!

A evolução do desmaio
Por que algumas pessoas perdem os sentidos quando vêem sangue? Segundo pesquisas o que hoje parece inconveniente na verdade é um mecanismo ancestral de sobrevivência


Assim que a faca do professor começa a dissecar a pele do cadáver, a estudante de medicina desmaia. Seus colegas sentem pena, pensam que ela é frágil demais para ser médica. Mas eles estão equivocados: o problema da aluna não é fragilidade. Pessoas saudáveis que desmaiam ao ver algumas gotas de sangue revelam uma estratégia de sobrevivência, não a incapacidade de suportar circunstâncias desagradáveis da vida. Trata-se de um mecanismo de adaptação inscrito nesses indivíduos pela evolução.
Durante muito tempo os médicos acreditaram que esse comportamento teria origem psíquica, isto é, seria induzido por emoções, já que não se observa causa orgânica alguma: o eletroencefalograma (EEG) parece normal; os batimentos cardíacos e a pressão arterial estão apenas um pouco elevados; o eletrocardiograma (ECG) mostra que o coração funciona como deveria.
Pesquisas recentes, entretanto, mostram que nem todo desmaio tem origem psicológica. Nesses casos, o ritmo cardíaco torna-se mais lento, quase imperceptível; a pressão arterial é extremamente baixa, ficando, às vezes, abaixo do limiar de detecção do instrumento de medida. Ao recobrar a consciência, essas variáveis voltam rapidamente ao normal. Poucos minutos depois, a pessoa já pode ficar em pé. Tudo indica que ela teve um colapso circulatório temporário, ainda que grave − o termo médico para tal ocorrência é síncope. A perda de consciência resulta, claramente, de processos físicos que, do ponto de vista evolutivo, parecem fazer sentido.
A pessoa desmaia quando o sistema parassimpático ordena a redução do batimento cardíaco, diminuindo o fluxo sangüíneo para os órgãos. É a chamada síncope vasovagal: ocorre perda de consciência (síncope), pois os vasos (do latim “vasa”) se dilatam e o nervo vago reduz a atividade cardíaca.
Leia mais:

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Líquido durante as refeições.... Sim ou Não?

Muitos têm dúvidas sobre o assunto e pra mim é praticamente um desafio deixar de tomar minha coca-cola nas refeições! Então coloco um incentivo pra quem é assim também! E viva a saúde!!!
Evite!
Mais que em qualquer outra época, manter a boa forma é a imposição do momento, não apenas pelos apelos estéticos da mídia, mas, principalmente, pela preocupação de manter a saúde por muitos e muitos anos. O hábito de beber líquidos, durante as refeições, é bastante recente, pois, na época de nossas avós, bebidas extras na mesa somente em datas especiais, como festas de aniversário, Natal e Ano Novo.
Será que a ingestão de sucos, refrigerantes e água, enquanto nos alimentamos, pode prejudicar a saúde e acrescentar novas medidas à nossa cintura? Atenção: nutricionistas avisam que o aumento da barriga é conseqüência, sim, das calorias que ingerimos. Assim, o líquido ingerido, durante as refeições, pode causar uma dilatação passageira do estômago, que, então, pode passar a armazenar mais líquido, aumentando o abdome. Com o estômago dilatado, aumenta a capacidade de ingestão do alimento, ou seja, a chance de você comer um pouco mais da conta está próxima de acontecer.
Outro porém: ao beber qualquer tipo de líquido durante uma refeição, a acidez gástrica pode sofrer alterações, prejudicando a absorção natural dos alimentos e, até mesmo, o aproveitamento de diversas vitaminas e dos sais minerais. Quando há comprometimento do processo de digestão, os carboidratos ingeridos sofrem fermentação e pode ocorrer um acúmulo de gases. A sensação de distensão abdominal está, então, caracterizada, de fato.
Especialistas recomendam a ingestão de água antes das refeições, e não durante o consumo de alimentos. Agindo dessa maneira, você facilita a eliminação rápida do líquido do estômago, permitindo que a acidez gástrica retorne ao normal.
Lembre-se que a região abdominal é aquela que apresenta maior facilidade para o acúmulo de gordura, liberada de alimentos calóricos consumidos em excesso. Fique atento: muitas vezes, a sensação de sede pode ser confundida com a de fome. Quando a necessidade de líquido é satisfeita, o apetite será proporcional à necessidade de alimentos, ou seja, os riscos de comer compulsivamente estão descartados.
Vai aí um conselho de nutricionistas: se você não conseguir sentar-se à mesa sem um copo ao lado de seu prato, prefira consumir sucos de frutas cítricas. Está comprovado que a vitamina C facilita a absorção de ferro, presente nas folhas verdes e nos grãos, como feijão, lentilha, grão-de-bico, soja, ervilha.
Fonte: Programa Supera

domingo, 14 de setembro de 2008

Aos queridos primos-amigos






Já escrevi diversas vezes sobre amizade aqui. Aproveito mais uma vez para fazer de novo. Neste momento, meu sentimento é só de agradecimento aos amigos, principalmente aqueles especiais que fazem parte também da minha família. Acho que o carinho e o zelo que temos um pelo outro é mais intenso pela questão do sangue e da convivência mesmo. Impressionante!

Cada amigo tem um lugar especial no nosso coração. Muitas vezes, já torci para ter uma melhor amiga igual aquela que a gente tinha na época da adolescência. Depois percebi que ela foi substituída pela cumplicidade do companheiro e a presença aleatória de novas amigas. Os amigos seguem outros caminhos e mesmo assim não deixamos de ser amigos!

Foi o que aconteceu comigo. Quando ainda era criança, meninota sapeca, minha prima, muito querida, gostava de me adotar no período das férias. Como era bom! Marcou muito minha infância! Ela cuidava de mim igual uma bonequinha. Fazia pudim, que eu amo de paixão e (sem querer puxar-saco é o melhor que já comi), fazia penteado, levava ao cinema, clube, shopping, alugava filmes da Xuxa, contava histórias, jogava buraco, enfim, me divertia bastante naquela época. Aprendi muito com ela! Quando me tornei adolescente a diferença de idade influenciou, e como todo adolescente não tem juízo, a gente se afastou, mas foi natural. O carinho nunca ficou distante.

Agora que nos “reencontramos” quando caminhamos pela vida com momentos ora coloridos, ora doídos, o que ficou lá atrás veio à tona como forma de cumplicidade, alma leve e o prazer da companhia. O melhor que não foi só uma prima-amiga que ganhei, existem outros que conquistei, porque além de primo, é amigo. Teve uma que veio como um raro presente: a namorada de um primo, que considero membro da família há um tempo, mas por ocasiões do destino só aproximamos agora. E o melhor: nos identificamos muito.

Deixo registrado aqui todo carinho, amor, admiração e respeito que tenho por esses amigos. As pessoas passam na nossa vida e sempre deixam algo que marca, umas mais, outras nem tanto. E essa fase que vivo hoje, levo como parte da minha história, quando na infância o laço começou a ser feito e está mais forte agora. Marcar, eles já marcaram demais. E não adianta esconder, os laços são fortes pelo mesmo fator traçado na nossa vida que nos uniu: a família.

Não queria ser piegas, mas quando se trata de amigos acho que é meio impossível, não? Afinal, como diria a canção: amigo é coisa pra se guardar...

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

A música da Literatura

Ontem, o Rubem Alves foi a Contagem falar sobre leitura. Aproveitei para conversar um pouquinho como leitora de seus livros. Gostei muito. Vou colocar abaixo a matéria que fiz para a Prefeitura (bem institucional, ainda não foi editada) rs, depois faço a minha versão pessoal! rsrsrs
Rubem Alves incentiva educadores de Contagem a ensinar a música da Literatura
“Nossos jovens não têm o hábito de ler porque nunca ouviram a música da Literatura”, afirmou o professor Rubem Alves, na sua vinda a Contagem, no dia 10 de setembro. Mais de 800 educadores do município puderam compartilhar com o autor mineiro experiências dos ensinamentos nada burocráticos sobre leitura, conforme ele próprio define. Rubem se diz impressionado com o programa de leitura desenvolvido na Rede Municipal de Ensino, mas para ele, as escolas são culpadas pelo fato dos alunos não gostarem de ler, pois obrigam a lerem livros que não querem. Ao contrário, Rubem sugere que os professores deveriam proporcionar que as crianças e adolescentes primeiro ouçam a leitura para descobrir sua própria música.

A palestra ministrada pelo professor, em parceria com a Editora Paulus, faz parte do Programa de Leitura Além das Letras desenvolvido nas escolas municipais de Contagem. Rubem Alves nasceu em Dores da Boa Esperança, sul de Minas Gerais. Tem 75 anos, três filhos e cinco netas. É Bacharel em Teologia, doutor em Filosofia, psicanalista e professor emérito da Unicamp. São mais de 50 títulos publicados para leitores entre adultos e crianças.

Conhecido como crítico do sistema de ensino brasileiro, ele deixou seu recado quando garantiu que não existe maneira de ensinar alguém a gostar de ler, pois a Literatura não serve para despertar a consciência crítica, mas simplesmente para o deleite e o prazer de entrar num mundo imaginário. “Toda criança e adolescente tem o direito de não ler o livro que não quer. Se eles são obrigados a ler e ainda são cobrados pelas escolas tomam raiva do livro. Não é possível ensiná-los a desenvolver o hábito de leitura, se eles não criarem o amor pela Literatura”, afirmou.

Rubem explica que para ler é preciso alienação para entrar no mundo da estória e o próprio livro é encarregado de seduzir o leitor para que este o devore. Ele também afirma que os melhores livros são aqueles que merecem ser relidos. “Para levar os jovens ao mundo da Literatura é preciso ser fiel a eles e dizer não aos burocratas. Burocratas são aqueles que exigem fichamento do livro, que o aluno mal faz, seguem o diário na ponta da caneta, obrigam os alunos a lerem livros chatíssimos de história da França, por exemplo, e depois cobram na prova cada detalhe insignificante, entre outros exemplos”, afirmou.

Ao finalizar a palestra, Rubem incentivou os professores a burlar a burocracia. “Os burocratas não merecem sua verdade e não vão fazer nada com ela, nosso compromisso é com o aprendizado dos nossos jovens, vamos manter a fidelidade a eles e mostrar a música da Literatura. Eu sei que temos autoridades presentes e temos que respeitar, mas me desculpem, na minha idade posso falar o quero, e quero incentivar os educadores”, concluiu. Foi aplaudido de pé, inclusive pelas autoridades.

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Remédio para tratar obesidade

A obesidade é vista como doença há pouco tempo. Antes, achavam que ser gordo era por pura preguiça e desleixo mesmo. Só Deus e um gordinho sabem como é difícil emagrecer e mais ainda ser gordo.

Numa consulta à endocrinologista, ela me fez pensar em algo que nunca tinha analisado: a ciência tem que descobrir um medicamento para tratar obesidade para o resto da vida, assim como diabetes, pressão alta, doenças endócrinas, entre outras que precisam de remédios diários e “eternos”. Se obesidade é doença também tem que ter remédio não é mesmo? Porque o mais difícil mesmo, confesso que é manter o peso.

Os medicamentos que existem no mercado não são definitivos e causam efeitos colaterais que chegam a ser intoleráveis. A nova promessa é o Acomplia, a pílula antibarriga, que bloqueia a sensação de prazer ao comer um doce, ou aquela vontade de devorar a comida. Ainda promete reduzir a gordura intra-abdominal e melhorar os índices de glicemia, colesterol e triglicérides. Portanto, ele não pode ser usado por pessoas com histórico de depressão, pois “tende a dar um baixo-astral”. Ainda não é a solução para a obesidade, é um medicamento novo no mundo e no Brasil, não se sabe ainda por quanto tempo pode ser usado. Tem apresentado bons resultados. É claro que tem aquela velha história: deve ser associado à reeducação alimentar e exercícios físicos, afinal, milagre remédio não faz, só Deus mesmo!

Quem está tomando Acomplia pode me contar o resultado?