segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Contradição: com ou sem Newtão???


Na campanha das eleições municipais notei uma enorme contradição entre BH e Contagem.

O candidato Márcio Lacerda, após perceber o enorme erro em sua campanha no primeiro turno com o clima de já ganhou, começou a associar seu adversário, Leonardo Quintão, ao ex-governador, Newton Cardoso. Usou o apoio do Newtão como arma para ajudar a derrubar a imagem do candidato do PMDB, pois qualquer belo-horizontino sabe que Newtão rima com outra coisa!

O que poucos perceberam é que em Contagem, Newton Cardoso apóia e participou da primeira administração da prefeita reeleita, Marília Campos. Ainda em entrevista ao MGTV, Marília confirmou o apoio de Newton como sendo fundamental para seu governo sem nenhum temor. Em Contagem, Newton possui muitos eleitores que ainda o respeitam, pois seu grande trunfo foi ter construído o bairro Nova Contagem, que digamos de passagem é muito precário. Marília teve muito trabalho no primeiro mandato para melhorar um pouco a qualidade de vida da população.

O que me estranha é que o partido de Newton, PMDB, também é da base aliada do PT Nacional, por isso Lula ficou de fora da campanha em BH. Portanto, taí a contradição: na capital o político é tão mal visto que acabou contribuindo para o Quintão perder a eleição. E em Contagem contribuiu para Marília derrubar Ademir.

É um caso para análise de cientista político.
Agora, que toda a disputa pela prefeitura de BH foi ridícula, isso foi! Primeiro, veio a aliança entre esquerda e direita (se é que isso ainda existe), depois o gente cuidando de gente. Aff...

Outra pergunta: o eleitor suporta o mensalão, mas não suporta o Newtão? rsrsrs
Que tanto de ão!!!

Destaco aqui que não tenho partido político e não faço campanha, mas que BH estava sem opção é fato!

2 comentários:

Iana Coimbra disse...

Vá,

Acabaram que nossos posts se complementaram! É engraçada mesmo essa contradição. E lá vai BH e Contagem de repeteco nas prefeituras. E que Deus nos ajude agora e nas próximas eleições!

Beijão.

Ps: Tô devendo sim!!!!

Granma disse...

Olá Vanessa!

Um "agravante" que noto nas eleições não só de BH como em todas as outras do nosso país, é o fato de os partidos brasiliros serem completamente fisiológicos. Eles se constroem sobre doutrinas absolutamente superficiais justamente pra poderem mudar de discurso quando isso lhes for conveniente no "mercado eleitoral".

Fazer o discursso que o eleitor deseja ouvir em um dado momento... ESSA É A REGRA!

E assim vamos vivendo essa democracia frágil que se define por alianças contraditórias e por candidaturas personalistas (vota-se no CANDIDATO, não levendo em conta o partido ao qual ele pertence).

É lamentável que nossas eleições tenham se tornado espetáculo de picadeiro não é?