quarta-feira, 3 de março de 2010

Sobre a morte e o luto

Hoje deu vontade de escrever sobre a morte e o luto, mais uma vez, principalmente porque no início deste ano, pessoas queridas também passaram por esse momento difícil de perder quem a gente ama. Sem brincadeira, já fui a quatro velórios em apenas três meses e isso me lembra muito que para morrer basta estar vivo e não sabemos quando, pode ser amanhã ou daqui uns anos, só mesmo Deus sabe.

Bom, como já contei aqui, perdi minha avó e minha tia num acidente de carro em dezembro de 2008. Enterrá-las foi a coisa mais difícil que fiz em toda minha vida. Um ano e três meses se passaram e só hoje me sinto mais aliviada. Sinto-me aliviada da dor da tragédia, mas a saudade é tanta, oh meu Deus, nem me fale! Agora, a saudade não dói mais, é uma saudade gostosa, de muitas lembranças e cheia de esperança pela ressurreição. Outro dia, estava passando em frente à antiga casa de minha avó e me deu uma vontade imensa de entrar e procurá-las. Passa um filme inteiro pela cabeça.

O ano de 2009, eu me lembro de passá-lo diversas vezes chorando, de muita tristeza, muita dor pelo luto. Fui forte no início, mas quando comecei a sentir o baque, pedi arrego. Tinha de levar a vida adiante, e assim fiz, com o coração partido. Hoje não tenho mais lágrimas para derramar sobre este fato, chorei tudo por elas, isto também me aliviou. Só o tempo foi capaz de curar o processo de luto. Sim, o luto é um processo, você não consegue sair dele da noite para o dia, a alternativa é aprender a conviver com ele, clamando a Deus pelo consolo. Desta forma você vence, Deus te ouve!

O que me deixou mais tranqüila foi sonhar com as duas, recentemente. O sonho foi tão real, tão bom, me deixou tão feliz porque elas conversaram comigo e também estavam felizes. Isso não quer dizer que tive uma experiência espírita, pois acho que Deus seria muito injusto se deixasse que após a morte este mundo continuasse em nossas preocupações e ficássemos arraigados aqui. Perdoe-me quem não crê assim, mas é a minha fé, acredito que os mortos dormem aguardando o retorno de Cristo, assim como diz a Bíblia.

Então, explico direito porque fiquei feliz com o sonho. Foi simplesmente porque dentro de mim, do meu ser, do meu coração, da minha mente, elas continuam vivas, presentes, fazem parte da minha história. Nunca vou esquecê-las, por isso me apego ao fato delas estarem bem, junto do Pai Eterno. Com a minha ferida cicatrizada, consigo ver claramente, e me encher de fé na promessa da vida eterna, não que eu não tivesse fé antes, mas depois de vivenciar este processo, tudo ficou muito mais tolerável.

Tenho consciência de que se perder mais uma pessoa amada, eu sofrerei novamente. Não tem jeito. Insisto e acredito piamente que Jesus chorou quando sentiu na pele o que o ser humano sente diante da morte, ao ver seu amigo Lázaro morto. Jesus venceu a morte, mas para chegarmos até Ele precisaremos morrer (terá muita sorte quem for arrebatado:-). Portanto, façamos da morte apenas uma passagem. É preciso consolo para os que ficam e paz para os que se vão (crendo), mas os que ficam um dia também serão recompensados.