quinta-feira, 28 de abril de 2011

Calopsitas mansas: um pet adorável

Ontem, passando pela avenida Abílio Machado, vi um cartaz de procura-se uma calopsita amarela, com anilha rosa e gratifica-se bem. Fiquei com dó do proprietário, pois será muito difícil reencontrar seu adorável pássaro. Se as calopsitas não tiverem suas penas de voo aparadas, elas simplesmente vão ir embora, como qualquer pássaro. Aconteceu com uma amiga e também quase que meu Jimmy Hendrix também se foi, pura sorte meu pai ter corrido para reencontrá-lo. É o instinto do animal.

Muitos donos não tomam os devidos cuidados com suas aves domesticadas, o básico e muito simples é aparar suas penas. Antes, eu não gostava de ter pássaros, pois tenho muita dó deles viverem presos. Ao conhecer a calopsita comecei a pensar na possibilidade de ter uma, pois além de ser um animal criado próprio para o cativeiro e domesticado, elas podem ter mais liberdade e ficar soltas pela casa, se os devidos cuidados forem tomados. Foi assim que me apaixonei pelas minhas aves.

No início, a Brigitte tentava voar e eu ficava super decepcionada. Achava que ela não gostava de seu novo lar. Não é bem assim. Os pássaros são super diferentes, eles têm que ser conquistados. Só se afeiçoam ao dono porque eles mesmo querem e porque o dono precisa se esforçar para isso. Logo, pensei em dar a Brigitte um companheiro, pois as calopsitas vivem em casal e são monogâmicas (interessante né?), aí veio o Jimmy, a calopsita albina muito falante. Os dois encantaram a todos lá em casa.

Brigitte não canta. Só pia. Isso é uma característica das fêmeas, embora alguns criadores afirmam que elas podem cantar. Jimmy aprendeu a cantar rapidinho, e o mais curioso: ele só aprende o que meu tio assobia. No seu repertório estão o hino nacional, parabéns para você, Wish You Were Here do Pink Floyd, além do jingle da Itatiaia, ambulância, alarme, fiu fiu, o assobio próprio do meu tio, entre outros. Sempre é uma festa quando ele começa a assobiar. Não tem quem não se encante.

Criar calopsitas exige dedicação, pois eles além de demandarem atenção, acordam quando o sol nasce e já começam a piar para abir a gaiola. Elas comem o dia todo, gostam de dormir quando o sol se põe, fazem muita sujeira na gaiola, cantam de manhã e à tarde e reclamam se você não apaga a luz no horário de dormir. Os pios podem ser muito alto. É relativamente barato criá-las. Elas são independentes, gostam de carinho somente quando estão preparadas, não é igual um cachorro que qualquer hora abana o rabo.

Minhas calopsitas se deram muito bem com meus goldens. Quando chegaram, a Bella tinha que ser vigiada, pois queria atacá-las. Depois, ela acostumou, mas eles não ficaram amigos, só se toleram. Mas eu tinha que vigiar o tempo todo, pois quando ganhei um leãozinho de pelúcia, deixei-o em cima da cama e ele ficou sem rabo, quase foi inteiramente assassinado. Além disso, os goldens são extremamente dóceis e se adaptam com facilidade.

Eu já sou completamente apaixonada pelos meu pássaros. Bom, eu sou suspeita pois amo todos os animais, então cuido com carinho e dedicação. Tudo bem que cães são nossos melhores amigos, mas uma calopsita é extremamente fiel a você quando você a conquista. Vale a pena criar esses pássaros, mas só se você tiver paciência e gostar de animais. A calopsita não pode ser esquecida e jogada num canto quando perde a graça. Ela exige sua atenção constantemente, senão ela também morre de tristeza.

Ps: se alguém quiser eu tenho um manual da calopsita e posso enviar por email.


sábado, 16 de abril de 2011

Sentir: meu presente de aniversário

Meu aniversário chegou e, para celebrar a minha vida, quero agradecer. Meu coração é imensamente grato ao meu Pai Eterno. Meus olhos se enchem de lágrimas e minha alma sorri quando imagino tudo que Ele fez e tem feito por mim. Este ano, meu mês está sendo super especial. No dia 13 de abril pude me presentear indo ao show da minha banda predileta: o U2. Tenho certeza que Ele me deu esta possibilidade, porque tudo deu muito certo.


Pode parecer bobagem para quem não gosta ou não é muito fã do U2. Só tenho um exemplo a dar: cresci escutando a banda, admirando o Bono Vox e ainda dei o nome dele ao meu melhor amigo cão, que diga-se de passagem, nunca esse nome se encaixou tão bem a um animal. Os quatro meses de espera foram de ansiedade e tudo passou muito rápido, mas faz parte da efemeridade da vida.


Este ano, decidi que meu presente seria apenas sentir. O ter ficará para o ter vivido. Foi o que eu fiz. Senti. Senti toda emoção, vivi o maior show deste planeta. Em Whit or without you eu me acabei. Simplesmente porque além de curtir o som, eu louvo a Deus nesta música e em muitas outras como One, I Still Haven’t Found What I’m Looking For, Pride, e outras. Quem conhece a trajetória da banda, entende o que falo. Não vou me explicar. Essas músicas tocam meu coração e Deus o conhece muito bem.


Quando o Bono Vox disse: - sou brasileiro e não desisto nunca! Como foi gostosa a reação da multidão. Somos um povo abençoado mesmo! E eu me vejo assim: não vou desistir jamais.


Ainda tenho tantos sonhos, tanto planos para ir buscar. Tudo que eu quero de agora em diante é sentir. Talvez seja a maturidade chegando, talvez seja uma fase mais sensata. A vida é breve e se eu quiser senti-la vai ser assim, o resto virá como consequência. Então, amanhã vou sentir o peso dos 27 anos, que poderá ser mais leve entendendo que envelhecer traz mais sabedoria quando encaramos as experiências com equilíbrio. Sensatez. Chegarei aos 30 sem a tal crise, isso eu prometo!