segunda-feira, 19 de novembro de 2007

Aos amigos...



Tem dias que a gente precisa de um ombro amigo!

Hoje conversando com minha amiga Lê, que foi morar em Sampa, vi o quanto vou sentir falta dela. A gente não se via todos os dias, mas quando era possível nos encontrávamos. Agora, os encontros serão mais difíceis (mas ainda bem que na modernidade existe a internet e, no mínimo, uma passagem aérea para os feriados).
Conversando com ela, fiquei pensando como os amigos são preciosos. A Bíblia fala que existe amigo mais chegado que um irmão. O ditado diz que quem encontra um amigo verdadeiro, encontrou um tesouro. E é assim mesmo...

Vários textos já foram escritos sobre amizade, sabemos o valor de uma. Mas, quando você está sozinho pode perceber o quanto é precioso contar com alguém te ama, que te é querido. Tenho alguns amigos, não são muitos, mas valem muito mais do que se eu tivesse multidões.

Têm aquelas amizades de infância, quando partilhamos a adolescência, as descobertas, as aventuras dos anos sem juízo, em que não se medem as conseqüências. Fomos cúmplices umas das outras e hoje quando nos encontramos, lembramos com saudades daqueles tempos. Depois da adolescência, vem a faculdade: amizade recente, quando ainda trocamos talentos, “quebramos os galhos” das outras sem cobrar nada, matamos aula para conversar até o horário acabar, falar dos namorados, dar conselhos. Enfim, uma amizade em que vamos acompanhar porque muito mais do que a mesma profissão, dividimos a rica convivência, digo, cumplicidade (novamente). Após a formatura, momento extravasante, conquistamos as amizades do trabalho. Também muito mais do que o companheirismo, partilhamos as mesmas esperanças, frustrações, e o início da composição da vida familiar. Essas amizades são poucas, mas bem edificadas.

Na minha vida, também tive sorte de encontrar os primos-amigos, essa amizade é diferente, porque além do sangue que corre na veia e o carinho fraterno, ainda somos cúmplices em todos os aspectos, porque conhecemos o contexto familiar. E isso tende a ser mais duradouro!

Fazemos ainda amigos em lugares e com pessoas em comum, seja na igreja, vizinhos, amigos do namorado, amigos dos amigos, na academia, no pet shop, até mesmo no bar da esquina. Todos têm seus lugares especiais no nosso coração.
Mas, amizade valiosa encontrei foi na minha família, minha mãe, meu pai, meu irmão, meus avós. Esses querem o meu bem acima de tudo, e é uma relação incondicional, pelo menos para mim. Tenho sorte!
Como não poderia faltar, pois Ele é o meu melhor amigo, o mais íntimo, que me conhece muito bem e me ama acima de tudo. Este eu sei que nunca me faltará e é maravilhoso pode contar com Ele. O nome dele é Jesus!

As palavras são difíceis de escolher quando queremos falar de um amigo, pois queremos ser exagerados, cuidadosos e objetivos e esse sentimento é complexo para ser descrevido assim, aqui, por mim. Só posso dizer que amo meus amigos! Sempre teremos essa cumplicidade gostosa, capaz de nos fazer felizes, íntimos e redimir marcas passadas...

Obs: Os amigos fiéis também são aqueles por natureza, assim como Bono e Bella, meus tesouros da criação!




segunda-feira, 12 de novembro de 2007

As mulheres e os sapatos



O Bazar foi um sucesso!


Nossa nunca imaginei que um cartaz legalzinho iria chamar atenção de tanta gente. Tive a certeza de que tudo nesse mundo é marketing mesmo!


Vieram mulheres que nunca vi na vida: sou amiga de fulano, parente de ciclano, sou sua vizinha, e vários casos assim.

O que mais me surpreendeu é como o mundo é pequeno. A secretária do chefe do meu tio perguntou se ele morava na Rua Coronel J... Ele falou:

-Moro sim.

-Você conhece alguém que vende sapatos na sua rua?

Aí ele viu o email e concluiu:

-Putz... É a minha sobrinha! E o Bazar vai ser lá em casa! Eu nem estava sabendo!

O mais engraçado foi que as minhas clientes compravam cerca de 10 pares cada uma.

Mulher realmente tem compulsão por sapatos. Agora, é sapato pro ano inteiro, viu!

Eu mesma perdi as contas de quantos pares separo pra mim. Hoje, confesso que já enjoei, mas se vier um bonito, não resisto!

Lembrei de um caso que a Leila Ferreira comenta em seu livro: "Mulheres: Por que será que elas..."

Duas mulheres foram numa liquidação, como a loja estava bagunçada, cada uma pegou o mesmo pé do sapato. Experimentaram e amaram! Na hora de levar, uma não queria ceder para a outra.
A solução? Cada uma comprou um pé, na esperança de que a outra devolveria no dia seguinte. Mas, até hoje nada. E agora, existem duas mulheres com um pé de sapato guardado no armário. Nunca irão usá-lo, nem deixar o orgulho de lado.

Então, não é só eu que falo e assumo a compulsão.

Ah! Teve uma menina que levou três pares iguais, mas de cores diferentes! Para poder variar, uai!

Bom, não tenho nada a reclamar. Meninas, voltem sempre!

E não tem jeito mesmo, somos mulheres e amamos sapatos!


sexta-feira, 2 de novembro de 2007

Relacionamento



Hoje vou falar de relacionamento o que realmente é uma Questão de Peso!


Ontem, estávamos reunidos no bota-fora da minha querida amiga Alessandra. Ela acabou de casar e vai morar em Sampa sozinha com seu companheiro. E o assunto que rendeu a metade da noite foi relacionamento.

Estavam: Vitor e eu, que já temos oito anos juntos, outro casal de amigos que está começando agora e o terceiro deve ter uns três anos, acho. A conversa fluia naturalmente, de como cada casal tem seu jeito de lidar com o parceiro, suas manias, regras pré-estabelecidas, confiança, amizade com o sexo oposto, repeito e fidelidade.

Foi muito interessante, porque pude perceber que somos muito diferentes uns dos outros e não existe uma receita para o relacionamento dar certo. Comecei a pensar que cada casal mesmo estabelece seus limites, sendo alguns absurdos para uns e normais para os outros.

Adoro falar de namoro, casamento, trocar experiências, apesar de ter só um amor todos esses anos, já vivi muitas coisas e posso me considerar experiente quando o assunto é relacionamento, friso: qualidade e não quantidade!

O mercado está cheio de livros de auto-ajuda, terapias diversas para salvar um casamento, especialistas vão à TV para dar a receita de uma relação feliz, resumindo: trabalhar com relacionamento humano está dando dinheiro!

Penso, como falei acima, que não existe um método próprio para fazer dar certo, mas existem princípios que cultivamos pela vida, muitas vezes adquiridos no berço, que podem fazer a mistura caminhar por durante muito tempo e manter a chama acesa. É muito fácil citar: além do amor pelo companheiro e por nós mesmos, tudo está incluído num pacote: respeito, troca, companheirismo, paciência, carinho, atenção, cumplicidade, fidelidade, vontade, compreensão, tesão, saber ceder, etc...

O difícil mesmo é saber como lidar com todos esses valores no momento necessário.

Cheguei a conclusão de que a gente observa um casal e pensa:

- Nossa, fulana é doida de ficar com esse cara!

-Beltrano não merece essa pessoa!

-Eu hein? Aí tem coisa!

- Ela é uma coitada!

E vários outros pensamento infames!

Mas, a vida é assim! Cada um com sua metade, vivendo o que não espera, o que não planejou, mas aceitando e mudando a realidade de acordo com o ritmo, as regras e os limites do relacionamento.

Afinal, existe ser mais surpreendente do que o ser humano? Então, imagine dois deles juntos!