quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

Paciência


Hoje vou postar um texto que recebi por email. Vi muito de mim nele, e aposto que muitas pessoas também irão se identificar, afinal estamos vivendo neste contexto.

Estava escrito que a autoria é do Arnaldo Jabor, mas nunca se sabe quando são os textos que circulam pela internet...

PACIÊNCIA

Ah! Se vendessem paciência nas farmácias e supermercados... Muita gente iria gastar boa parte do salário nessa mercadoria tão rara hoje em dia. Por muito pouco a madame que parece uma "lady" solta palavrões e berros que lembram as antigas "trabalhadoras do cais"... E o bem comportado executivo? O "cavalheiro" se transforma numa "besta selvagem" no trânsito que ele mesmo ajuda a tumultuar...

Os filhos atrapalham, os idosos incomodam, a voz da vizinha é um tormento, o jeito do chefe é demais para sua cabeça, a esposa virou uma chata, o marido uma "mala sem alça". Aquela velha amiga uma "alça sem mala", o emprego uma tortura, a escola uma chatice. O cinema se arrasta, o teatro nem pensar, até o passeio virou novela. Outro dia, vi um jovem reclamando que o banco dele pela internet estava demorando a dar o saldo, eu me lembrei da fila dos bancos e balancei a cabeça, inconformado... Vi uma moça abrindo um e-mail com um texto maravilhoso e ela deletou sem sequer ler o título, dizendo que era longo demais.

Pobres de nós, meninos e meninas sem paciência, sem tempo para a vida, sem tempo para Deus. A paciência está em falta no mercado, e pelo jeito, a paciência sintética dos calmantes está cada vez mais em alta.

Pergunte para alguém, que você saiba que é "ansioso demais" onde ele quer chegar?

Qual é a finalidade de sua vida?

Surpreenda-se com a falta de metas, com o vago de sua resposta.

E você? Onde você quer chegar?

Está correndo tanto para quê?

Por quem?

Seu coração vai agüentar?

Se você morrer hoje de infarto agudo do miocárdio o mundo vai parar?

A empresa que você trabalha vai acabar?

As pessoas que você ama vão parar?

Será que você conseguiu ler até aqui?

Respire...
Acalme-se...

O mundo está apenas na sua primeira volta e, com certeza, no final do dia vai completar o seu giro ao redor do sol, com ou sem a sua paciência...

NÃO SOMOS SERES HUMANOS PASSANDO POR UMA EXPERIÊNCIA ESPIRITUAL.
SOMOS SERES ESPIRITUAIS PASSANDO POR UMA EXPERIÊNCIA HUMANA.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

Interessante



Estudo relaciona curvas femininas à inteligência dos filhos

da BBC Brasil

Um estudo publicado pela revista científica "Evolution and Human Behaviour" afirma que mulheres com curvas são mais inteligentes e têm filhos mais espertos. A explicação dos pesquisadores é que os ácidos graxos ômega 3, que se acumulam nos quadris e nas coxas das mulheres, servem de alimento para o cérebro e são essenciais para o desenvolvimento neurológico dos bebês durante a gravidez.

Os pesquisadores Stephen Gaulin, da Universidade da Califórnia, e William Lassek, da Universidade de Pittsburgh, usaram dados do Centro Nacional de Estatísticas de Saúde, nos Estados Unidos, para fazer o estudo e descobriram que a relação cintura-quadril das mães estava diretamente relacionada ao desempenho delas e dos filhos em testes de cognição.

Quanto mais gordura acumulada na parte inferior do corpo das mães, e não na cintura, melhor eram as notas nas provas. "Coxas e quadris fartos guardam nutrientes essenciais que alimentam o cérebro e podem produzir crianças inteligentes também", disse Gaulin ao jornal "The Daily Telegraph".

Os cientistas acreditam que é essa é mais uma razão pela qual os homens se sentiriam mais atraídos pelas mulheres "com curvas". "Os homens reagem a isso porque é importante para a reprodução (da espécie)", afirmou Lassek ao jornal.

O estudo também concluiu que mães adolescentes têm filhos com problemas cognitivos porque não têm uma reserva suficiente de ácidos graxos, mas os pesquisadores afirmam que as que têm quadris largos acabam sendo menos afetadas pelo problema.

Comentário: Achei super interessante. Até vou parar para analisar as mães das pessoas espertas e inteligentes que conheço! Bom, só sei que a minha está dentro! rsrsrsrs

sábado, 1 de dezembro de 2007

O mal do século


Hoje, cada pessoa conhece de perto alguém que tenha ou morreu de câncer. É absurdo como essa doença vem se alastrando nos tempos atuais. O motivo da disseminação conhecemos muito superficialmente. Não imaginamos que poderá acontecer conosco. Considero o câncer o mal do século, uma das piores doenças que a raça humana pode enfrentar.

Tive uma experiência na família e estou tendo outra. Por fora, o doente, durante um tempo, consegue manter as aparências, mas por dentro, está tudo sendo consumido pelas células contaminadas. Quem já se curou de um câncer e não teve a metástase, acredito ser por um verdadeiro milagre. Algumas pessoas dizem ser a doença da alma, outras, um advento da modernidade. No entanto, sabemos os hábitos saudáveis que devemos adquirir para evitar a doença, porém não estamos seguros.

O período mais angustiante vem com o passar da luta, após tantas batalhas de quimio e radioterapia, a pessoa vai enfraquecendo. Chega o momento em que a dor é maior do que o próprio corpo, aí entra a morfina, ou seja, o fim está chegando. O nosso papel é ser forte, para podermos encorajar o doente querido. Todos querem viver, acreditam na cura. Entre as experiências que conheço, nenhuma teve êxito, a cura não foi possível. Depois, começamos a aceitar que é melhor a pessoa descansar. Apesar de nunca aceitarmos a morte. O sofrimento é inevitável.

Não sei que palavras dizer neste momento singular para quem está sofrendo da doença. Tudo fica vazio, some. Você começa a se tornar ausente, sem coragem para encarar o doente, parece até egoísmo. No fundo tem alguma esperança, mas só Deus é quem sabe. Se tivesse autonomia, exterminaria o câncer do planeta para ninguém passar por isso.

Aos que foram curados, alegrem-se, são frutos de verdadeira misericórdia. A ciência é poderosa, mas não é exata. Deus tem maior poder e muitos não entendem isso. Aos que perderam parentes queridos, que nunca tenham de enfrentar esse deserto novamente. Aos que estão passando por isso, força e fé serão os maiores aliados!

Ao meu bisavô Jarbas (in memorian)
À Dona Vitória (in memorian)
À Aparecida (exemplo de força)