quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Boas Festas!!!

Final de ano é uma correria doida que fico até meio zonza. Não gosto desse consumismo desenfreado do natal, cidade cheia, lojas insuportáveis de frequentar, trânsito caótico, essas coisas. O espírito do natal acaba ficando um pouco esquecido. A data símbolo do nascimento de Cristo se torna vazia diante desses fatos. Algumas famílias ainda mantém o costume de fazer uma oração na virada do dia. Lá em casa, estou com receio deste momento, pois não será nada fácil passar o natal sem minha vó e minha tia. Uma angústia ainda me corrói por dentro.

Estou procurando ficar em paz no espírito. Mentalizando energias boas para essa data. Confesso que estou com medo desse resto de ano, foi um trauma muito grande ano passado. Como não posso ficar lamentando, vou lembrar dos bons momentos vividos e dos aprendizados. Aprendi a ter resiliência. Superar os fatos ruins da vida não é fácil, mas é necessário para seguir adiante. Buscar a Deus foi um processo, pois necessitou prática, hábito e muita fé. Vencer o desânimo e a tristeza não é tão simples, mas é possível. Fiquei deprimida sim, mas cá estou cheia de esperança e vontade de mudar!

Não emagreci um grama esse ano, mas já estou preparada para não engordar nesse finalzinho (isso será uma vitória) e continuar na labuta assim que as festas passarem. Vou dar um jeito na minha vida, porque o pior já passou. No próximo ano, questões de peso serão de vitórias e vou compartilhar com vocês!

Deixo um abraço para todas e todos que me acompanharam no blog este ano, sempre dando forças. Principalmente para as meninas que ajudei em relação à mamoplastia, obrigada por fazerem me sentir útil e ver que minha experiência valeu a pena. Parabéns para todas que conseguiram a cirurgia! Desejo boas festas! Muita tranquilidade, paz, esperança e Jesus no coração!

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Receita de ano novo



Aproveitando o clima de despedida do ano, posto este presente para você!


Receita de ano novo

Carlos Drummond de Andrade

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)


Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumidas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.


Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Sobre a dificuldade de perdoar quem não merece


O natal está chegando e essa época é muito propícia para me lembrar da questão do perdão. Não vou escrever palavras bonitas ou moralistas sobre isso, mas vou escrever a verdade. Confesso ter uma imensa dificuldade de perdoar quem não se arrepende. Quem continua fazendo o mal e acredita que está com a razão. Bom, tenho facilidade de perdoar quem se arrepende e volto a conviver numa boa novamente, no mesmo amor. Mas, essa situação de ter de pedir perdão quando você não está errada e voltar as boas, é sério, eu não consigo. Sofro muito, pois conheço a palavra de Deus, mas definitivamente não sei o que acontece, deve ser um caso psquiátrico!

Tenho dois casos assim na minha vida, de pessoas que não perdoo, porque me amedrontam. Não é que guardo rancor, mágoa ou ressentimento, digo perdão, no caso de não conseguir conviver mais com a pessoa porque simplesmente ela me quer mal. Já tentei várias vezes, mas quando estou de bem novamente, elas fazem algo para me prejudicar mais ainda. Decidi deletar essas pessoas da minha vida, mesmo sendo da minha família e da família de quem eu amo. Não quero nem notícias. Quanto mais longe melhor. Mas, quando chega essa época de natal, de reconciliação, acabo me sentindo muito perturbada.

Queria que algo sobrenatural acontecesse e pronto, estão perdoadas. Quem dera fosse assim. Quem dera não tivesse inimigos. Quem dera fosse mais cristã do que humana. Esses são alguns espinhos que tenho. A incapacidade de perdoar quem não quer o meu perdão. Não desejo mal, apenas não desejo nada, quer dizer, desejo que sumam, que vivam bem longe de mim. Será que ainda tenho salvação?