terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Sobre a dificuldade de perdoar quem não merece


O natal está chegando e essa época é muito propícia para me lembrar da questão do perdão. Não vou escrever palavras bonitas ou moralistas sobre isso, mas vou escrever a verdade. Confesso ter uma imensa dificuldade de perdoar quem não se arrepende. Quem continua fazendo o mal e acredita que está com a razão. Bom, tenho facilidade de perdoar quem se arrepende e volto a conviver numa boa novamente, no mesmo amor. Mas, essa situação de ter de pedir perdão quando você não está errada e voltar as boas, é sério, eu não consigo. Sofro muito, pois conheço a palavra de Deus, mas definitivamente não sei o que acontece, deve ser um caso psquiátrico!

Tenho dois casos assim na minha vida, de pessoas que não perdoo, porque me amedrontam. Não é que guardo rancor, mágoa ou ressentimento, digo perdão, no caso de não conseguir conviver mais com a pessoa porque simplesmente ela me quer mal. Já tentei várias vezes, mas quando estou de bem novamente, elas fazem algo para me prejudicar mais ainda. Decidi deletar essas pessoas da minha vida, mesmo sendo da minha família e da família de quem eu amo. Não quero nem notícias. Quanto mais longe melhor. Mas, quando chega essa época de natal, de reconciliação, acabo me sentindo muito perturbada.

Queria que algo sobrenatural acontecesse e pronto, estão perdoadas. Quem dera fosse assim. Quem dera não tivesse inimigos. Quem dera fosse mais cristã do que humana. Esses são alguns espinhos que tenho. A incapacidade de perdoar quem não quer o meu perdão. Não desejo mal, apenas não desejo nada, quer dizer, desejo que sumam, que vivam bem longe de mim. Será que ainda tenho salvação?

4 comentários:

disse...

Vanessa, lá venho eu de novo. Mas não resisto! rs... Então, não é pra aplacar a sua consciência, mas tenho aprendido (com muitos autores cristãos, inclusive) q perdão não é relacionamento. Esse é o nosso grande dilema. A gente acha q pq perdoa precisa conviver. E bem. E sempre. Não é nada disso. Perdão é uma escolha racional q vai sendo trabalhada em nosso interior até virar sentimento. Mas q, por ser racional, tb nos distancia daquelas pessoas q invariavelmente, mesmo perdoadas, nos fazem mal. Creio q essas pessoas q vc cita no texto, são um bom exemplo dessa categoria q é perdoada mas precisa ser colocada à distância. Bjus!

Ivy disse...

Claro que tem salvação rs, devemos amar o próximo e nem sempre "conviver" com esse próximo.
Deus compreende você bem mais do que você mesma pode imaginar, peça a Ele que afaste da sua vida pessoas que não te fazem bem ou que tentam de alguma forma lhe prejudicar e Ele vai afastar, tenha certeza.
Em outros momentos Deus colocará essas pessoas em sua vida pra lhe ensinar algo, aí, nesses casos, peça ao Senhor que lhe ensine a compreender os propósitos Dele.
Amei o texto e sinto o mesmo muitas vezes.
Obrigada pelas palavras carinhosas la no meu blog...Deus tem me ajudado, ganhei a Clarinha.... uma york fêmea da mamãe e do meu esposo, fiquei mais contente...
Um beijo,

Vanessa Trotta disse...

Oi RÊ! Ah fico contente quando vc passa por aqui! rsrsrsrs
Verdade, tb concordo. Mas o que realmente me incomoda é q sempre vou precisar ter algum tipo de convívio com essas pessoas, pois são parentes!
E isso me incomoda muito, principalemente pelo fato de serem da família! rsrsrsrs
Obrigada!
Bjos!

milaventura disse...

Oi Vanessa...

Meu nome é Camila e cheguei no seu blog através do da Iana Coimbra( uma benção)
Sou mais uma que sofre disso viu?
Q alivio que eu senti quando li seu post!!!Não sou a única...Bom vou contar meu caso.A melhor amiga da minha irmã começou, numa época a ficar minha amiga também...e era muito bom, nós conversávamos e concordavamos com tudo!Quando eu chorava ela me consolava e vice e versa...Mas houve uma discussão entre ela e minha( uma loonga história)e eu fiquei quieta, não tomei o partido de ninguém.Ela foi embora chorando, e eu não fui consola-la pois achei que ela não estava com a razão. Mas ela não aceitou. Disse que eu não pensei duas vezes antes de ficar do lado da minha mãe.No dia seguinte a discussão nós nos vimos na Igreja ou melhor eu a vi pois ela estava deliberadamente tentando me evitar,nem olhava pra mim.
Ela é uma menina que sofreu muito e por isso todas as pessoas, incluindo a minha irmã, passam a mão na cabeça dela enquanto as vezes, é preciso uma repreensão também. E agora estamos assim:ela aje como se tudo pudesse ser varrido pra baixo do tapete sem ser resolvido e me trata de um jeito superficial.E eu quero gritar toda a vez que nós nos vemos mas todos acham que sou eu que guardo rancor...enfim...minha mãe me disse pra esquecer mas toda a vez que vejo o fingimento eu me machuco...me sinto mal, a gente se chamava de irmãs....e agora ela nem me chama mais pelo meu apelido!Será que isso é certo?Ou será que sou eu que sou uma tonta que fico sofrendo por nada?
Grrr...Eu tenho tomado essa atitude de ignorar, de afastar...
E me sinto culpada também.
Bom, acho que isso foi mais do que um comentário, foi um desabafo...Pelo menos eu tenho Jesus que me conforta nesses momentos.