sábado, 1 de dezembro de 2007

O mal do século


Hoje, cada pessoa conhece de perto alguém que tenha ou morreu de câncer. É absurdo como essa doença vem se alastrando nos tempos atuais. O motivo da disseminação conhecemos muito superficialmente. Não imaginamos que poderá acontecer conosco. Considero o câncer o mal do século, uma das piores doenças que a raça humana pode enfrentar.

Tive uma experiência na família e estou tendo outra. Por fora, o doente, durante um tempo, consegue manter as aparências, mas por dentro, está tudo sendo consumido pelas células contaminadas. Quem já se curou de um câncer e não teve a metástase, acredito ser por um verdadeiro milagre. Algumas pessoas dizem ser a doença da alma, outras, um advento da modernidade. No entanto, sabemos os hábitos saudáveis que devemos adquirir para evitar a doença, porém não estamos seguros.

O período mais angustiante vem com o passar da luta, após tantas batalhas de quimio e radioterapia, a pessoa vai enfraquecendo. Chega o momento em que a dor é maior do que o próprio corpo, aí entra a morfina, ou seja, o fim está chegando. O nosso papel é ser forte, para podermos encorajar o doente querido. Todos querem viver, acreditam na cura. Entre as experiências que conheço, nenhuma teve êxito, a cura não foi possível. Depois, começamos a aceitar que é melhor a pessoa descansar. Apesar de nunca aceitarmos a morte. O sofrimento é inevitável.

Não sei que palavras dizer neste momento singular para quem está sofrendo da doença. Tudo fica vazio, some. Você começa a se tornar ausente, sem coragem para encarar o doente, parece até egoísmo. No fundo tem alguma esperança, mas só Deus é quem sabe. Se tivesse autonomia, exterminaria o câncer do planeta para ninguém passar por isso.

Aos que foram curados, alegrem-se, são frutos de verdadeira misericórdia. A ciência é poderosa, mas não é exata. Deus tem maior poder e muitos não entendem isso. Aos que perderam parentes queridos, que nunca tenham de enfrentar esse deserto novamente. Aos que estão passando por isso, força e fé serão os maiores aliados!

Ao meu bisavô Jarbas (in memorian)
À Dona Vitória (in memorian)
À Aparecida (exemplo de força)

7 comentários:

Iana Coimbra disse...

Vá, lindo o que vc escreveu. Triste tb... Acho que nunca estamos preparados para a morte. Ainda mais com essas coisas inesperadas.

Bjs.

Anônimo disse...

Oi Vá!
Acredito que o câncer é uma doença da alma. Mas ainda creio que é possível vencer este mal. Também perdi pessoas queridas por conta desta doença. Minha avô morreu de leucemia e minha tia de câncer nos ossos.
Mas quando trabalhava no programa NOITE & CIA pude conhecer inúmeras histórias de pessoas que venceram a luta contra o câncer. Sem dúvida, Deus é maior.

Bjim

PS: Cada dia você escreve melhor menina!

Lê disse...

Desculpe, o anônimo sou eu..rsrs...

Trotta disse...

São muitos os "males do século". Alguns dizem que é a AIDS, outros dizem que é o Câncer, outros dizem que é a Depressão. De qualquer forma, são todos terríveis.

Eu tenho convicção total de que estão intimamente ligados à alma mesmo, como vc falou... ou ao psicológico.

Só alimentando a alma e o psicológico com coisas boas é que se pode ficar livre desses males.

Andréa disse...

É como a parábola da semente de mostarda. Para quem tem fé, se jogar uma semente de mostarda no mar, lá a semente brotará e crescerá.!! Muitas vezes, estamos fracos e cansados. Achamos que já não temos mais forças. Mas Deus olha por todos. E nunca nos abandona!! Para quem tem fé, tudo é possivel. Até a cura!! Nas horas alegres ou nas tristes temos que entregar a nossa vida na mãos de Deus, que ele proverá!!

hilda disse...

oi, não poderia deixar de comentar... perde uma pessoa muito especial na minha vida,ela tevi leocemia mieloide aguda,acompanhei todos os internamentos dela foram 5 meses de bataha.Mais depois de um ano de luta foamos vencidas pela doença,doença qual esta sendo letal na vida de muitas pessoas, mass ainda acredito q em brevi nos livraremos desse mal secular.beijjos admiravel sua historia (hilda)

Rodrigo disse...

Oi Nessa,
muito bonito o que vc escreveu, LÓGICO QUE CHOREI, difícil de aceitar, difícil de conviver com a ausência, ver uma pessoa sofrer de perto, dar o máximo de morfina e não acabar com a dor não é fácil.Segurei muitas vezes meu chôro, um nó na garganta doído, uma agonia esperando um milagre e ao mesmo tempo orando pra que fosse feita a vontade de Deus, fiquei emocionada por vc ter mencionado no nome da mamãe no final, ela te amava muito viu? beijos CY