quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Minha Mamoplastia Redutora pela Unimed - Parte 4

Parte IV: Até a Oxigenoterapia Hiperbárica

Estava muito apreensiva para retirar o “curativão”, pois não agüentava mais de tanta coceira devido à alergia. Finalmente, o dr. João tirando cuidadosamente para não doer, chegou o dr. Jorge para acabar quando vi a cara de decepção deles. Meu corpo estremeceu, meu coração doeu. Sim, estava com um problema na cicatrização.

Ah que vontade de sair correndo e nunca mais voltar! O doutor Jorge já tinha conversado comigo sobre os riscos e as complicações da cirurgia. Só que a gente pensa que nunca vai acontecer com a gente.
Ele não me desanimou, pediu que tivesse paciência, receitou os remédios e pomadas e indicou um tratamento que estava obtendo bons resultados em casos como o meu, a Oxigenoterapia Hiperbárica.

Quando ele viu que eu ia entrar em pranto, ele conversou comigo. –Vanessa tenha calma. Você fez uma escolha na sua vida. Você não operou por estética. Se com 24 anos você já está com escoliose, mais cedo ou mais tarde, você iria ter uma hérnia de disco. E na cirurgia de hérnia de disco, que é muito pior, de dez pacientes um não volta a andar.

O detalhe é que quando olhei no espelho passei mal duas vezes na clínica, quase desmaiei, mas é porque sou fraquinha mesmo. Saí de lá direto para a clínica de hiperbárica, para saber o preço, porque o convênio não cobria. Realmente, confirmei que o tratamento ficaria muito caro, mas estava disposta a me endividar como for para fazê-lo.

Saí da clínica já chorando, meu mundo já tinha desabado. Quando cheguei em casa, minha mãe também não agüentou, caiu no choro. Liguei para o Vitor desesperada. Ele, um amor de pessoa, me acalmou falou que eu não deveria me preocupar porque ele arcaria com tudo. Fiquei muito aliviada e muito agradecida. Deus é bom por ter colocado um noivo desse jeito na minha vida.

Eu decidi que não contaria esse problema para ninguém, pois enfrentaria de cabeça erguida. Recebi muito apoio da minha mãe, minha vózinha querida que cuidou imensamente de mim, meu pai, do Vitor, da Cibely, da Vivian, Taninha, Virgínia, Camila, pessoal da igreja, enfim, todos aqueles que ficaram sabendo naquele momento.

Comecei a oxigenoterapia hiperbárica no outro dia. As enfermeiras e a médica da clínica me tranqüilizaram muito, falaram que meu problema era fácil de resolver. O risco, se eu não fizesse o tratamento, era minha aréola morrer e ter que fazer enxerto, o que me apavorou muito. Eu nunca tinha ouvido falar da hiperbárica, só sabia que os astros de Hollywood faziam para rejuvenescer. É o seguinte: o paciente entra na câmara hiperbárica, que mais parece um submarino, e durante duas horas, respira oxigênio puro, através da máscara. A pressão dentro da câmara, se não me engano, chega a 15 metros abaixo do nível do mar. Assim, os órgãos se contraem e, ao respirar oxigênio puro, a corrente sangüínea leva para todos os lugares que estão com déficit, contribuindo para a cicatrização.

A primeira sessão eu tirei de letra, não tive dor de ouvido e muita paciência, pois você fica duas horas só pensando na vida, sem fazer absolutamente nada. Eu tive muita força, estava determinada a me recuperar. Por incrível que pareça, esse tratamento deixou marcas profundas na minha alma, porque passei por experiências reais de solidão e abandono vistas nos olhos dos meus companheiros de hiperbárica. Foi nesse período que escrevi o post Valor à Vida. Então você pode ler e conferir o que senti.

Fiz 17 sessões seguidas, sem interrupções até nos finais de semana. Aprendi muito nesse período, principalmente, a ter paciência. Em toda sessão escolhia o que iria pensar. Lembrei de cada momento que vivi, de cada pessoa que já passou na minha história. Compartilhei também da história de cada paciente, muitos dias, alguns choravam de dor, isso também me doía. A cada dia que passava recuperava ainda mais, o resultado era impressionante.

Agradeço a todas as pessoas que me visitaram, me deram força e oraram por mim nesse período. Lê, adorei sua ligação direto de Sampa, me senti muito importante!

No próximo capítulo (rsrsrs) continuo com mais detalhes sobre recuperação, drenagem, pontos, roupas perdidas, dirigir, trabalhar, essas coisas.

6 comentários:

Iana Coimbra disse...

Vá,

Sua história é muito linda. Continue compartilhando. ;)

Bjs.

Lê disse...

Oi Vá!

Fico feliz que você esteja se recuperando, viu?!

Você É muito importante!
Grande bjo!

Anônimo disse...

O peso maior q vivo é o da sociedade,casei em maio,e ganhei peso muito rapido,estou pensando serio em me endividar para emagrecer...amei tua garra..força de vontade e desejo muito q tua historia tenha um final feliz...beijos Dryca

Beatriz disse...

Ana,
Fiz aqui em Brasilia uma mamo´lastuia redutira, retiran 3,100KG, como minha medica disse era necessario. Tenho espondilistese, na L5,L4, S1.Tenho neurocicocerse, 17 cistos no cerebro. Mais sai muito bem. Fiz por motivo de saude. Estou com 31 dias de operada., mais ainda minha aorela, esta meio, disforme. Estou indo ao medico semanalmente. Fiz biopsia. Estou me tratando. voces como eu somos guerreiras e felizes. beijus a todas n´s tenho 47 anos. E luto no hospital Sarah, de Brasilia, por uma qualidade de vida , por ter essa doença degenerativa que é a espondilistese. A L5 esta fissurada, como meu médico deixou bem claro. tenho todo cuidado. E luto para viver bem .Agradeço a Deus e a todos que me levaram a uma cirurgia até entyão muito bem sucedida. Obrigada. .Muito obrigada mesmo..

Nat disse...

Parabéns pela recuperação. Eu fiz a minha cirurgia dia 19/02 e uma semana depois tive necrose da aréola. Por conta da recuperação da carne embaixo dela, os pontos verticais abriram e estou até hoje sem o enxerto. Devo fazê-lo da semana que vem. Acredite em mim, a gente acha que está tudo terrível, mas podia ser pior... Boa sorte!

Anônimo disse...

Nat, fico muito feliz por ter dado tudo certo no seu tratamento, pois comigo foi pior, tenho 17 anos e fiz uma mamoplastia redutora , pois estava com problemas na coluna,e com uma erniam infelismente perdi o mamilo e a aoreola, já fiz o incherto mais ainda estou sem o mamilo.