terça-feira, 9 de novembro de 2010

A Carne é Fraca

Recentemente, assisti ao documentário A Carne é Fraca, produzido pelo Instituto Nina Rosa sobre os impactos causados pelo consumo de carne no mundo. Fiquei bem incomodada com as informações e não tinha nem idéia de como era um matadouro, ou do que a indústria faz com os animais, simplesmente porque nunca me passou pela cabeça saber disso. Como sou super curiosa, fui questionar alguns conhecidos os motivos de se tornarem vegetarianos, então me indicaram este vídeo.

Ao assistir confesso que fiquei chocada. Meu amor pelos animais é indiscutível, às vezes até penso que deveria ter feito veterinária. O documentário me incomodou tanto que estou reduzindo meu consumo de carne. Não virei vegetariana, até porque confesso ser apaixonada por carne, mas pelo menos não tenho coragem de ir a um rodízio ou comer certas carnes.

Só para ter uma idéia da razão pela qual fiquei assustada, o consumo de carne é um dos fatores responsáveis pela fome no mundo, pela destruição da camada de ozônio, poluição dos recursos hídricos, contaminação dos lençóis freáticos, desmatamento da Amazônia, entre outros. O mundo conta atualmente com cerca de 6 bilhões de cabeças de gado, 16 bilhões de aves. Só a Amazônia tem 35 milhões de bois e 22 milhões de habitantes. Para a produção de um quilo de carne de boi é necessário 15 mil litros de água, pois a criação de somente um boi corresponde a 35 litros de água por dia. Isso sem falar nos maus tratos, na quantidade de hormônios e medicamentos que esses animais recebem. Se você souber como são produzidos a vitela e o baby beef, eu duvido que continue a comer isso (se é que existem pessoas e pessoas...).

Vale a pena assistir ao documentário para se conscientizar. O consumo consciente é diferente, tenho certeza. Se todos agirem de certa maneira, poderemos contribuir para um mundo melhor. Nisso eu acredito. A decisão de continuar consumindo carne será somente sua.

Algo me deixou mais chateada ainda. Quando eu comentei desse vídeo para algumas pessoas, elas nem sequer quiseram saber a respeito. Já foram falando que são carnívoras, que é a cadeia alimentar, lei da natureza, que é uma bobagem, etc. Como se eu fosse tentar convencê-las de que ser vegetariano é o caminho da salvação, como se precisasse mudar de religião. Ainda me gozaram, falando que eu adoro um churrasquinho de picanha. Santa paciência!

Só mesmo a intolerância não faz as pessoas pararem, gastarem um pouco do seu precioso tempo, para pensar que podem estar prejudicando suas próprias gerações vindouras. Eu costumo argumentar que é a mesma coisa da imbecilidade de quem não pensou que ao jogar esgoto na Lagoa da Pampulha tudo aquilo não viraria um poço de dejetos. Como falar do assunto mais discutido do momento que é a sustentabilidade, se praticamos justamente o contrário?


Um comentário:

Alê disse...

Como diria o capitão Nascimento: "Jornalista é um bicho curioso. Quando sente cheiro de 'furo' não sossega..."

Concordo Vá, carne não é bom para o corpo e nem para o meio ambiente.

Confesso que sou fissurada por uma picanha, mas tento me controlar quanto ao consumoo.

Bjão e saudades de você!