segunda-feira, 27 de abril de 2009

Massacre dos obesos

Foto: Luísa Brito - G1
Depois dos fumantes, obesos são alvo de patrulhamento
Se em São Paulo a vida dos fumantes está ficando mais difícil, com proibições ao cigarro em bares e empresas, em outros países os obesos também sofrem patrulhamento.

Os quilos a mais já custam mais caro em várias companhias aéreas internacionais (algumas com voos no Brasil), nas quais passageiros muito acima do peso podem ter de pagar por duas poltronas em voos cheios.

No Estado do Alabama (EUA), o governo cobrará, a partir de 2011, US$ 25 por mês de obesos que não se cuidarem.

Na Inglaterra, um condado motivou protestos ao passar a cobrar, neste ano, 50% a mais para enterrar corpos "maiores".

"Isso é cruel", diz Walmir Coutinho, diretor do Departamento de Obesidade da Sociedade Brasileira de Endocrinologia. "Sei que as empresas não querem prejuízo, mas a ciência mostra que não é correto dizer que só é gordo quem quer. Seria algo como taxar mais os cadeirantes porque [eles] precisam de mais auxílio."

A United Airlines cita reclamações de "cerca de 700 passageiros em 2008" que viajaram "espremidos" para justificar a criação, há duas semanas, da cobrança de poltrona extra para obesos em voos lotados.

Nada será cobrado se houver cadeiras disponíveis, diz a empresa. Outras oito companhias americanas já faziam a cobrança. Algumas, como a Continental e a Delta, operam no Brasil, onde as regras também valem, assim como a United.

No Brasil, TAM e Gol dizem que não adotam essa política.

O Procon de São Paulo condena a ideia. "Trata-se de atitude discriminatória em razão de um aspecto físico, o que não condiz com o princípio de igualdade estabelecido pela Constituição Federal", afirma a entidade em nota.
Fonte: Folha Online
Comentário: Ontem vi a matéria no Fantástico e hoje achei na Folha Online, fiquei um pouco aliviada pelo Brasil não adotar a mesma política do exterior, mas também fiquei revoltada com o massacre dos obesos.
Conforme a fonte da matéria, ninguém é gordo porque quer e a ciência prova isso. Considero uma forma discriminação inaceitável para os obesos. Parece que o obeso não sofre com seu próprio corpo, com sua própria situação.
Agora ao serem rechaçados pela sociedade é que se sentirão mais humilhados, mais anti-sociais, e comerão muito mais com certeza, porque o que manda nessas horas é o emocional e quanto mais infeliz um obeso está, mais comida ele coloca pra dentro. (Usei a palavra mais várias vezes de propósito)
Deveria ser o contrário: prêmio para o obeso que conseguir emagrecer e manter o peso. Assim, a sociedade seria mais justa e tolerante às diferenças e menos complicação emocional na vida dos obesos.

Nenhum comentário: